siga o homoludens por email

UFMG EDUCATIVA: entrevista brinquedos e brincadeiras e formação da criança

FAZ ASSIM! CANTORIAS E BRINCADEIRAS INFANTIS

OUÇA AQUI AS PRIMEIRAS MÚSICAS DE NOSSO CD: produção: Claudio Emanuel, Marilza Máximo e Rogério Correia Direção Musical: Silvia Lima e Christiano Souza Oliveira

Faz assim!

Despedida/ Samba mais eu

territorio do brincar

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

O brincar na Educação Infantil:um desenho de formação em construção


No inicio do mês passei dois dias na Escola Municipal de Educação Infantil Belém em Contagem no encontro de formação na área de jogos e brincadeiras infantis. Atrás da escola encontra-se uma enorme mata. já o prédio é bem pequeno, funciona numa casa adaptada. São 8 turmas de crianças de 2 a 5 anos.Uma dinâmica que tenho adotado nestes encontros é primeiro fazer um primeiro momento junto com professoras e crianças juntas. brincamos de muitas coisas: camaleão, periquito maracanã, tá-tararátaxim, vendedor de abóbora, Mélice... Poder conhecer as crianças como são, como participam das brincadeiras acaba sendo um aprendizado pra todos, inclusive pra mim. Observo também como as professoras participam das brincadeiras se brincam ou ficam apenas observando e corrigindo os pequenos, se auxiliam e incentivam as crianças a brincarem. Este primeiro momento vai alimentar a conversa que terei logo em seguida apenas eu e as professoras . A gente conversa sobre a prática de brincar com as crianças. A conversa vai desde relembrar as brincadeiras realizadas, qual foi a participação das crianças ao brincarem, suas contribuições e neste sentido também todas as situações inesperadas que surgem a partir daí quando damos esta abertura considerando-as como co-participantes das brincadeiras, momento em que aprendem mas também nos ensinam muitas coisas. a conversa busca responder a uma questão: como podemos garantir uma participação plena das crianças durante o brincar? por fim, mas não menos importante é a brincadeira que realizamos com as professoras relembrando as brincadas com as crianças e trazendo outras. A gente avalia se a formação foi significativa para as professoras quando elas transformam o espaço num momento de troca, aí uma brincadeira acaba puxando a outra, percebemos as diferenças regionais e de geração numa mesma brincadeira. Aquele momento vira uma sementeira de idéias, novas brincadeiras, outras possibilidades de brincar a fim de torná-la mais divertida .
Bom, as professoras ao final avaliaram como positivo o encontro, foi dinâmico e pudemos de fato conversar sobre aquilo que traria contribuições para suas práticas
um abraço,






Nenhum comentário:

Brincantes do Brasil: Entrevista com Lydia Hortélio by Almanaque Brasil

Brincantes do Brasil: Entrevista com Lydia Hortélio parte 2 by Amanaque Brasil